terça-feira, 28 de julho de 2009

que porra eu to fazendo aqui?

Esses dias acordei e me perguntei isso.
Aonde eu estaria se eu não tivesse escolhido essa vida que escolhi viver nesses últimos anos?
Pra mim fica uma dúvida muito interessante e realmente sem resposta.
Quando eu e os amigos começou com essa coisa de hardcore, veganismo, straight edge e afins, éramos muitos (muitos mesmo).
Nesse curto tempo que eu vivi eu posso dizer que 90 % das pessoas que começaram comigo não me acompanham hoje em dia.
Tipo...não deixaram de ser meus amigos, nem de serem menos legais por não terem mais a mesma escolha em mente, elas só não me acompanham mas no meu dia-a-dia. Rolou uma afastação não intecional. Pra eles não deve mais fazer o mesmo sentido andar nos lugares que eu ando, gostar das coisas que gosto.
Posso dizer que minhas amizades só andam se renovando. Passei a gostar de gente que não gostava., deixei de gostar de muita gente, conhecí muita gente boa que me fez aprender muita coisa boa, enfim....em todo lugar vai ter isso.
Mas a questão que não parava de bater na cuca era:
"Será que eu ia estar trabalhando? Indo aos bares da augusta de sexta de noite pra beber com o pessoal da faculdade? Eu teria minha banda? Minha mãe não estaria pesando na minha consciência pra eu estra trabalhando, estudando, etc.?"
Porra!!! Quanto dinheiro eu já gastei com o hardcore?
É melhor eu nem começar a fazer contas.

Saí no último fim de semana e vi um rolê totalmente avesso ao meu.
Olhei gente fazendo tudo o que não costumo fazer: Beber, fumar,e etc.
Pensei: "Caralho!! Nao é isso que eu quero pra mim!"

Eu também comecei a ver o cotidiano da vida dos caras aqui da quebrada. (é...eu sei que ando um vagabundo da porra! uhahuauhauh)
A vida dos caras é trabalhar o dia inteiro, chegar em casa e comer, ir pra rua fumar maconha, beber e tudo o mais.
Era pra eu ser assim, não me restam dúvidas.
Na época do skate era todo mundo igual, só eu escolhi o caminho diferente.

Chegou o fim-de-semana e a gente tinha show marcado em Santos. A gente fretou um ônibus e tudo. Foi todo o pessoal conhecido da antiga que já não eram os mesmos, os que continuam até hoje, gente que não conhecia. Foi realmente foda.

Na hora em que a gente tocou foi simplismente incrível.
Eu nunca havia tocado num show tão foda até então!
É emocionante você tocar num show e ver todo mundo cantar as músicas que foram feitas nos seus ensaios e até então só você havia gostado.

É algo que dinheiro nenhum nesse mundo vai conseguir pagar.
Depois desse show ter terminado eu fui me trocar e guardar os instrumentos, pensei comigo mesmo:
"Eu faço parte de algo grande. Todo esse pessoal veio ver a gente. É isso que eu tenho que ser. É isso que eu to fazendo aqui!"

Quando eu olho pra trás, não vejo nada que eu possa ter me arrependido. Isso é o melhor que eu posso dar de mim. Isso é o que eu quero pra minha vida inteira! Não troco isso por NADA!


*Texto postado no meu blog do myspace há algum tempo atrás.

Um comentário:

Glauce disse...

"no passing phase!"
viver o hardcore todos os dias eh tambem a melhor escolha que fiz pra mim e nem por isso deixo de crescer, amadurecer. estou aqui agora, acabando de voltar de uma viagem de 5 dias numa van, com um resto de x nas maos, aos 34 anos, e so consigo pensar que isso eh tudo o que eu queria ter. com certeza voce sabe do que estou falando ;-)